LEVAMOS MAIS LONGE A INOVAÇÃO.

A SUA IDEIA PODE SER A PRÓXIMA A CRIAR UM NOVO FUTURO.

ATLAS

Ideia vencedora na 2º Edição do Prémio IN3+, o projeto tem como objetivo melhorar a logística da produção e expedição do PEP (Passaporte Eletrónico Português) e do CC (Cartão do Cidadão), através da utilização de robótica colaborativa para o transporte de produto entre áreas de segurança, manipulação e operação de um armazém automático e envio dos produtos finais validados para expedição.

Baseado no paradigma da Indústria 4.0, permite, não só a garantia da localização e segurança de todos os materiais de valor transportados, como também libertar os colaboradores de tarefas pesadas e automatizadas. Desenvolvido em parceria com o Centro de Investigação UNINOVA, da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa.

 

 

PAPEL SECRETO

Ideia vencedora na 1ª Edição do Prémio IN3+, o projeto “Papel Secreto – Uma abordagem Inovadora e de Baixo Custo” coordenado por Elvira Fortunato e Rodrigo Martins, da FCT NOVA foi desenvolvido em parceria com o Centro de Investigação de Materiais (CENIMAT) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL). Atualmente detém já uma marca própria – ALMASCIENCE, Beyond Paper – e com diversas iniciativas em curso nos setores da saúde, marketing e sustentabilidade.

As ideias que arrecadaram o 2.º e 3.º lugar foram, respetivamente, “Fabrico de Moedas Comemorativas através de Tecnologias Aditivas”, apresentada por uma equipa de investigadores do Instituto de Engenharia Mecânica do Instituto Superior Técnico, e “BlockCarPollution – Potenciar o uso de Transportes Coletivos e Partilhados com Recurso a Blockchain”, apresentada por elementos da Universidade de Aveiro e da empresa Ubiwhere.
Conheça mais sobre o projeto ALMASCIENCE.

 

 

UNIQODE

Um novo MRC (Machine Readable Code) desenvolvido em parceria com a Universidade de Coimbra, e suportado num sistema integrado e inovador que impede a adulteração de produtos e facilita a sua rastreabilidade.

Um identificador único que pode ser validado através de smartphones, assumindo-se como uma ferramenta versátil, acessível e que faz de cada consumidor um potencial aliado das marcas e das autoridades no combate à contrafação, promovendo a confiança no mercado e podendo ser aplicado em documentos de identificação, assim como em diversos bens e produtos de elevado valor e qualidade, sendo por isso mais sujeitos à falsificação e contrafação. Esta tecnologia já está a ser implementada em produtos como o selo fiscal do tabaco português e o documento único automóvel.

 

IDMOBILE – IDENTIFICAÇÃO MÓVEL DIGITAL

O projeto IDMobile – Identificação Móvel Digital desenvolvido em parceria com o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

Pretende desenvolver uma solução de emissão de documentos digitais de identificação (civil, profissional, académica) cuja utilização é efetuada através de dispositivos móveis (smartphones, tablets), baseados em infraestruturas descentralizadas (p.e. Blockchain privada, semi-privada ou pública), e em biometria avançada complementada por biometria comportamental, em conformidade com RGPD e eIDAS. O grande impacto deste projeto é colmatar a necessidade que os cidadãos cada vez mais possuem de se identificarem de uma forma segura e credível no mundo digital e assim de uma forma fácil e rápida e segura poderem aceder aos mais variados serviços.

FACING

Em documento de identificação e viagem (tais como o passaporte ou o cartão do cidadão, entre outros), além dos dados biográficos, a fotografia é um elemento central para associar um documento ao seu portador.

Diversas fraudes de documentos passam por alterar a fotografia ou gerar uma fotografia que permita uma falsa identificação futura. Neste projeto, pretende-se criar ferramentas para melhorar as características visuais da imagem e validar se essa fotografia atende às normas internacionais para emissão de documentos de identificação. É ainda objetivo deste projeto, realizar prova de vida durante a aquisição da fotografia e criar uma aplicação, para dispositivos móveis, de reconhecimento facial.
Projeto co-financiado pelo programa P2020.

UNIQUEMARK

Desenvolvido em parceria com a Universidade de Coimbra, tem por objetivo a criação de marcas únicas de contrastaria, sem possibilidade de serem copiadas ou falsificadas.

Um dos objetivos do projeto UniqueMark é permitir que o teste de autenticidade do objeto seja feito por ourives, comerciantes e consumidores, munidos de instrumentos de fácil utilização, tais como smartphones..

NANOMARCADOR

O Projeto Nanomarcador resulta de uma parceria com o Centro de investigação de Materiais – Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação (CENIMAT/i3N) pertencente à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL).

O projeto tem como objetivo a produção de nanomarcadores para incorporação em tintas de segurança e desenvolvimento do respetivo leitor para validação dos elementos.
Os elementos de segurança serão impressos através de métodos convencionais de impressão (offset, serigrafia, flexografia e inkjet) para a produção de documentos/selos de elevada segurança.

MOTOR DE PESQUISA DRE

O novo motor de pesquisa do Diário da República é desenvolvido em parceria com o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento (INESC ID) e dá continuidade à experiência digital já proporcionada pelo Diário da República Eletrónico.

O principal objetivo é o desenvolvimento de uma nova ferramenta de pesquisa suportada por Inteligência Artificial, com Processamento de Linguagem Natural (PLN), capaz de responder com agilidade e eficácia ao conteúdo altamente especializado e institucional do DRE, sendo o principal impacto deste projeto a oferta de uma resposta mais especializada à pesquisa de conteúdos realizada por profissionais, instituições, empresas e cidadãos com a criação de uma solução aplicacional integrada que oferece um serviço de ordenação de resultados de pesquisa e de um serviço de análise de comportamentos de utilização.
Esta visão possibilita também à INCM uma análise do comportamento dos utilizadores do DRE, e assim adequar cada vez mais a pesquisa ao perfil do utilizador, melhorando continuamente a sua experiência de utilização.

INOVAÇÃO NA OFERTA

A área editorial e cultural da INCM fará em 2020 o maior esforço da sua história no caminho da desmaterialização e de uma oferta diferenciada de conteúdos.

Estreámos na Antena 2 um programa semanal sobre «autores essenciais», disponibilizados depois em podcasts. Vamos inaugurar o site da Imprensa Nacional com conteúdos próprios e totalmente orientados para a literatura e cultura portuguesas, bem como para a história da instituição. Vamos iniciar uma coleção de audiolivros de clássicos portugueses com disponibilização gratuita, prevendo-se 3 audiobooks em 2020. Até ao final do ano contaremos com mais de 200 edições digitais (pagas e gratuitas).
Desmaterializar a cultura e torná-la acessível a todos é também um caminho inovador de chegarmos cada vez melhor a mais gente e de captar novos leitores.

MOEDA ADITIVA

O desenvolvimento da Moeda Aditiva tem por base a introdução da Indústria 4.0 e novas metodologias de produção e fabrico com especial foco para o potencial da Impressão 3D, que se assume como uma excelente solução para responder à elevada procura de componentes com geometrias cada vez mais complexas.

Tendo como objetivo a utilização de tecnologias aditivas no fabrico de discos para cunhagem com formas e detalhes geométricos complexos, impossíveis de fabricar através das denominadas “tecnologias tradicionais”, o projeto “Moeda Aditiva” permitirá produzir e comercializar séries limitadas de moedas comemorativas inovadoras com detalhes tridimensionais fixos ou móveis, assim como produzir moedas através da combinação das tradicionais técnicas de cravamento e as modernas tecnologias aditivas.

MOEDA TRANSPARENTE

Este projeto resulta do 2.º lugar na 1.ª edição do Prémio e tem como objetivo a cunhagem de moedas total ou parcialmente transparentes através da utilização de materiais poliméricos.

O desafio passa sobretudo pela definição de novos processos e metodologias produtivas que sejam capazes de assegurar níveis de enformabilidade a frio, de tenacidade à fratura e de estabilidade dimensional apropriados para a criação e manutenção dos detalhes geométricos que são característicos dos versos e anversos de moedas.

MOEDINOV

O Projeto MoedINOV resulta de uma candidatura ao Programa P2020, liderada pela Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), e possui como parceiro o Centro de Microeletromecânica e Sistemas (CMEMS) da Universidade do Minho.

O projeto visa a aplicação de técnicas avançadas de materiais na criação de novos efeitos estéticos nas moedas de coleção. Combinam-se assim diversos materiais metálicos e cerâmicos, que levam ao desenvolvimento de novos padrões e texturas superficiais e assim criar novas soluções de design, respondendo assim às elevadas exigências deste mercado, de âmbito internacional. Sendo as moedas de coleção na sua essência produtos de autor e de arte, os investigadores e técnicos da INCM e da Universidade do Minho trabalham em estreita colaboração com a equipa do Professor Eduardo Aires, artista plástico reconhecido internacionalmente..

PROJETOS EUROPEUS H2020

PHARMALEDGER

Este projeto resulta de uma candidatura ao Programa H2020, no qual a INCM é parceira em consórcio internacional, e tem por base a tecnologia e o modelo blockchain.

Através da criação de um market place de dados de saúde confiável, seguro, justo e compatível com a privacidade, pretende-se a possibilidade de inclusão nos dados pessoais de saúde de parâmetros como Eletronic Health Records /Eletronic Medical Records (EHR/EMR) e dispositivos médicos, entre outros.

O projeto PharmaLedger visa a promoção da segurança dos pacientes, através da rastreabilidade do produto farmacêutico, ajudando na luta contra a falsificação, redução da fraude e cumprimento dos regulamentos e requisitos europeus. Visa também acelerar o processo de desenvolvimento e testes clínicos, fornecendo ao mesmo tempo transparência, auditabilidade e controlo de acesso em todos os aspetos da condução de ensaios clínicos com várias partes interessadas, incluindo pacientes e reguladores.

O contributo da INCM incide sobretudo na linha de Investigação relacionada com a cadeia logística de fármacos, onde providenciará soluções de autenticação e rastreabilidade dos mesmos.

O principal impacto deste projeto assenta na agilização de acesso à informação de dados de saúde para uma resposta mais eficaz na realização de testes e ensaios clínicos, por um lado, e a garantia de uma maior segurança e confiança do consumidor no acesso aos fármacos.

SPHINX

Resulta de uma candidatura ao Programa H2020, no qual a INCM é parceira em consórcio internacional, e visa o desenvolvimento de uma toolkit de cibersegurança para ambientes hospitalares, garantindo a segurança, privacidade e a integridade dos dados dos utentes..

O principal impacto deste projeto é a dotação e capacitação de uma maior segurança e capacidade de prevenção das unidades de saúde e hospitalares a ciberataques que colocam em causa não somente o seu normal funcionamento como também a integridade dos dados dos seus utentes.

APRIL

O projeto April pretende estudar a implementação das mais recentes técnicas da robótica colaborativa e ágil na manipulação de materiais flexíveis nos processos fabris da INCM, mais concretamente na produção do passaporte eletrónico português.

Neste paradigma da indústria 4.0, em que os operadores humanos estão em constante interação com robôs e equipamentos modernos e sofisticados, aplicando as mais recentes técnicas de inteligência artificial, é possível esperar que no final a fábrica seja mais dinâmica, mais flexível, mais produtiva, mais segura e, acima de tudo, capaz de valorizar o capital humano.

iMARS

O projeto iMARS pretende combater um tipo específico de fraude – o morphing. O morphing é a utilização de documentos com fotografias falsas para a passagem em fronteiras físicas terrestres, marítimas e aéreas.

Este tipo de ataques às fronteiras constitui-se como uma permanente ameaça à sociedade. A INCM pretende, com este projeto, combater estes ataques, introduzindo novos mecanismos de segurança, e aperfeiçoando outros já existentes, na produção de documentos de identificação e viagem. Esta tecnologia, que usa os mais recentes avanços da inteligência artificial e do processamento de imagem, poderá ser usada em muitos outros produtos e documentos de segurança criados pela INCM..

AS IDEIAS PODEM MUDAR O FUTURO.
FAÇA A SUA CANDIDATURA