OBRIGADO A TODOS PELA PARTICIPAÇÃO.

PARABÉNS AOS VENCEDORES DA 3ª EDIÇÃO DO PRÉMIO IN3+.

Se não teve a possibilidade de assistir em direto, partilhamos consigo toda a cerimónia. Um momento de celebração do futuro tornado realidade.

Ideias Apresentadas

Universidades, Centros de Investigação, empresas e startups

Parceiros de Inovação

%

Candidaturas

No dia 29 de Março, teve lugar a cerimónia de entrega de prémios e de revelação dos três projetos vencedores da 3ª edição do Prémio IN3+, Um Milhão para a Inovação.

Esta cerimónia, emitida online, contou com as intervenções de Suas Excelências o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa e do Primeiro-Ministro, António Costa. Contou ainda com o testemunho dos vencedores das edições anteriores, Professora Elvira Fortunato e Professor José Barata.

Este momento de celebração da cultura de inovação assumiu-se ainda como um espaço de partilha de múltiplas perspetivas, contando com a apresença de Alexandra Leitão, Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Anabela Pedroso, Secretária de Estado da Justiça e Miguel Cruz, Secretário de Estado do Tesouro.

O grande vencedor foi o projeto IDINA (Identidade Digital Inclusiva Não Autoritativa), uma ferramenta que poderá ter grande utilidade em zonas remotas de alguns países, que não têm as infraestruturas que permitam a creditação dos seus cidadãos dando a autoridade necessária a instituições credíveis, como escolas, instituições de saúde, autoridades locais, etc., atestar o nascimento e a vivência de cidadãos a partir de eventos como a vacinação ou ingresso no ensino.

O segundo lugar foi atribuido ao projeto AICeBlock, que propõe o desenvolvimento de uma plataforma, sustentada em blockchain, que permite fomentar a confiança em aplicações de base em Inteligência Artificial através da sua certificação.

O projeto HIGHLIGHT, que ficou no terceiro lugar, foca-se na nanotecnologia com o desenvolvimento de uma tinta que permite manipular a luz, dando a possibilidade única de variação ótica visível ou invisível ao olho humano.

O primeiro lugar recebeu um prémio de 600 mil euros, o segundo 250 mil euros e o terceiro 150 mil euros, num total assim de um milhão de euros para o financiamento e apoio ao desenvolvimento das ideias apresentadas e implementação dos projetos.

“Acredito que concretizar os projetos vencedores vai trazer algo de novo para o dia a dia de milhões de pessoas, em Portugal e em países, mais e menos desenvolvidos, garantindo a segurança e o direito à identidade de todos os cidadãos, valores que norteiam a INCM há séculos”.

Gonçalo Caseiro
Presidente do Conselho de Administração da Imprensa Nacional – Casa da Moeda

CONHEÇA AS IDEIAS VENCEDORAS

1º Lugar

IDINA – Identidade Digital Inclusiva Não Autoritativa

Esta é uma ferramenta que poderá ter grande utilidade em a zonas remotas de alguns países, que não têm as infraestruturas que permitam essa creditação dos seus cidadãos dando a autoridade necessária a instituições credíveis, como escolas, instituições de saúde, autoridades locais, etc., atestar o nascimento e a vivência de cidadãos a partir de eventos como a vacinação ou ingresso no ensino. Em alguns países, esta plataforma poderá, posteriormente, integrar ou até assumir o papel de registo Autoritativo, cumprindo uma premissa das Nações Unidas: todo o cidadão possuir um cartão de identificação válido.

2º Lugar

AICeBlock – Artificial Intelligence Certification through the Blockchain

Propõe o desenvolvimento de uma plataforma, sustentada em blockchain, que permite fomentar a confiança em aplicações de base em Inteligência Artificial através da sua certificação. Com esta solução será possível interpretar, rastear e auditar as previsões dos modelos “inteligentes” usados em áreas como a condução autónoma ou diagnóstico por computador.

3º Lugar

HIGHLIGHT

Foca-se na nanotecnologia com o desenvolvimento de uma tinta que permite manipular a luz, dando a possibilidade única de variação ótica visível ou invisível ao olho humano. De acordo com os criadores, este produto poderá ser muito útil ao mercado de anti-contrafação, por exemplo para aplicar em todo o tipo de documentos e selos de segurança.